6.2.12

Eu sou lindo.


O título deste texto é uma afirmação. Uma demonstração de auto-estima e não de culto ao corpo. Mas vamos ao que interessa. Quando chego na sala de aula sempre falo para meus alunos que agora eles terão aulas com o professor mais bonito da escola. Falo isso e fico ouvindo suas exclamações, que são as mais diversas como: “É nada!” “professor mais bonito é fulano” “aqui não tem professor bonito só professoras bonitas” E assim vai. Então eu complemento dizendo. – É claro que sou bonito, minha mãe disse isso e acredito nela. As respostas são as seguintes: “Sua mãe disse isso para você não ficar triste.” “ todas mães amam seus filhos e acham eles bonitos.” “As mães são assim mesmo, tem orgulho de seus filhos”.
Acredito que até aqui conseguimos sentir uma ponta de bons relacionamentos entre mães e filhos. Para extrair mais de meus alunos uso um pouco do que meu amigo P.H. Xavier chama de maiêutica socrática disfarçada. Lanço a seguinte pergunta. Suas mães não acham vocês bonitos?  Nesse caso quase todos concordam. Digo quase porque ouvi uma resposta de uma menina que me deixou triste e com uma pulga atrás da orelha. Ela respondeu o seguinte: “Minha mãe diz que sou uma puta!” ( O leitor me desculpe pelo palavrão. Não encontrei outra palavra que significasse o mesmo e que não tirasse a originalidade da frase dita pela criança). É claro que nesse momento fiquei sem ação. Estava diante de uma clara demonstração da forma errada de educar os filhos.
O que leva essa mãe a falar isso para uma filha? Não estamos falando de uma adolescente rebelde e sim de uma criança de 11 anos.  Talvez a mãe tenha chegado a essa conclusão devido as roupas usadas pela pré-adolescente? Talvez pelo desejo de usar maquiagens? Isso não dá suporte para que a mãe chegue considerar o que disse para sua filha.
Meu amigo P.H. Xavier considera isso despreparo dessas pessoas em ser mãe e pai, e que seria necessário ter cursos de como educar crianças direcionados para todos os adolescentes, antes mesmos de serem pais. Talvez isso mudaria muito o pensamento e cuidados para evitar a gravidez e a transmissão de doenças.
Enquanto professor, tomamos muito cuidado com o que falamos em sala, para não ferir o ego das crianças e para não destruir seus sonhos. Sempre colocamos que é possível realizar seus sonhos. Percebo que o comportamento das crianças na sala de aula refletem muito o que ela aprende em casa. No caso dessa menina, qual seria o seu sonho? Ser aquilo que a mãe afirmou? Augusto Cury afirma que as crianças vivem aquilo que vivenciam em casa. Por isso que acredito que muitos pais precisam de preparação.
Como preparar os pais para serem pais? Fazendo com que retornem para as escolas? Acredito que com profissionais adequados e com bons projetos, nossos governantes provocariam uma grande mudança e não teríamos grandes problemas futuros.
Valter Figueira – Professor e escritor
www.valterfigueira.blogspot.com

2 comentários:

Ueslei Rodrigues disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
cida corti disse...

Lendo e relendo seus textos,estou aqui não pra comentar esse tipo de atitude dos pais para com estes filhos, mas para deixar minha indignação diante desse fato.Essas crianças são vítimas, assim como os próprios pais, vítimas de uma sociedade martirizada pela mídia imposta de nossa atualidade.Somos e estamos obrigados ao fado do modernismo, isto é prejudicial à saude, a moral e aos bons costumes!